Hannah Arendt e o Direito (parte II): o "outlaw" e o direito a ter direitos

Odilio Alves Aguiar

Resumo


O artigo visa relacionar a tese da centralidade do outlaw, para se pensar o direito, em Hannah Arendt, com a sua compreensão do direito como “direito a ter direitos”, esboçada em “Origens do totalitarismo”. Partindo da desintegração europeia no início do século XX e do surgimento do outlaw contemporâneo, o refugiado, refletiremos sobre o sentido do princípio da legalidade, sua relação, em Arendt, com a plural condição humana e o mundo comum. Mostraremos como estão contidos, na obra mencionada, elementos para uma articulação inicial entre a ideia do direito como “direito a ter direitos” e uma teoria da cidadania na pensadora judia-alemã.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, H. “Origens do Totalitarismo”. Tradução de Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

ARENDT, H. “Escritos Judaicos”. Tradução de Thiago Dias Silva et al. São Paulo: Amarilys, 2016.

ARENDT, H. “La tradition cachée. Le juif comme paria”. Paris: Christian Bourgois, 1987.

ARENDT, H. “Auschwitz et Jérusalem”. Paris: Deux temps-Tierce, 1991.

ARENDT, H. “A Condição Humana”. Tradução de Roberto Raposo. Revisão técnica de Adriano Correia. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

ARENDT, H. “O que é a Política”. Tradução de Reinaldo Guarany. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

ARENDT, H. “Entre o Passado e Futuro”. Tradução de Mauro Barbosa de Almeida. São Paulo: Perspectiva, 1988.

ARENDT, H. “Lições sobre a Filosofia Política de Kant”. Tradução de André Duarte. Rio de Janeiro: Relume/Dumará, 1993.

AGUIAR, O. et al. “Filosofia e Direitos Humanos”. Fortaleza: Editora UFC, 2006.

AGUIAR, O. “A amizade como amor mundi em Hannah Arendt”. Revista O que nos faz pensar, Rio de Janeiro, Nr. 28, pp. 131-144, 2011.

AGUIAR, O. “Hannah Arendt e o direito I”. Revista Argumentos, Fortaleza, Nr. 18, 2017.

BENHABIB, S. “The Rights of Others: Aliens, Residents and Citizens”. Cambridge and New York: Cambridge University Press, 2004.

BENHABIB, S. “O declínio da soberania ou a emergência de normas cosmopolitanas? Repensando a cidadania em tempos voláteis”. Civitas. Porto Alegre, Vol, 12, Nr. 01, pp. 20-46, 2012.

D’ENTRÈVES, M. P. “Hannah Arendt’s conception of citizenship”. (pp. 39-166). In: The Political Philosophy of Hannah Arendt. London, New York: Routledge, 1994.

GOLDONI, M.; MCCORKINDALE, C. (org.). “Hannah Arendt and the Law”. Oxford: Hart, 2012.

GÜNDOGDU, A. “Rightlessness in an age of rights”. New York: Oxford University Press, 2015.

GÜNDOGDU, A. “Perplexities of the rights of man’: Arendt on the aporias of human rights”. European Journal of Political Theory, Vol. 1, Nr. 11, pp. 4-24, 2011. [Online].

KALYVAS, A. “Democracia constituinte”. Lua Nova, São Paulo, Nr. 89, pp. 37-84, 2013.

LAFER, C. “A Reconstrução dos direitos humanos”. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

ORTEGA, F. “Para uma política da amizade: Arendt, Derrida, Foucault”. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

RIBAS, C. M. “Justiça em Tempos sombrios”. Ponta Grossa: Ed. UEPG, 2005.

RIBAS, C. M. “Os direitos humanos no mundo do animal laborans”. Argumentos – revista de Filosofia da UFC, Fortaleza, Nr. 09, pp. 169-180, 2013.

TORRES, A. P. R. “Direito e política em Hannah Arendt”. São Paulo: Loyola, 2013.

VOLK, C. “Arendtian Constitutionalism”. Oxford: Hart, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.