Arthur Danto e o problema da interpretação de obras de arte

Debora Pazetto Ferreira

Resumo


A definição de arte desenvolvida por Arthur Danto pressupõe que algo é uma obra de arte por ser o correlato de uma interpretação, inscrita em uma rede de significações históricas, teóricas e sociais, que lhe atribui o estatuto de obra de arte. Trata-se de uma definição essencialista que, no entanto, não se funda em algo que é percebido no objeto, mas no objeto percebido como arte. Levando em consideração que o conceito de “interpretação” é um dos pontos cardinais da definição de arte de Danto, aprofundo neste artigo uma investigação específica sobre o assunto. Argumento que o modo como o autor o desenvolve comporta uma ambiguidade, isto é, que há uma confusão entre dois sentidos de interpretação nos textos dantianos, e que seu papel fundamental na definição de arte é inseparável da contextualização histórico-social possibilitada pelo mundo da arte.


Texto completo:

PDF

Referências


DANTO, A. C. A transfiguração do lugar comum. Tradução de Vera Pereira. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

______. Após o fim da arte: A Arte Contemporânea e os Limites da História. Tradução de Saulo Krieger. São Paulo: Odysseus Editora, 2006.

______. O descredenciamento filosófico da arte. Tradução de Rodrigo Duarte. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

______. O abuso da beleza. Tradução de Pedro Süssekind. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

______. “Crítica de arte após o fim da arte”. Tradução de Miguel Gally, Clarissa Barbosa e Leandro Aguiar. In: Viso: Cadernos de estética aplicada, v. VII, n. 14 (jul-dez 2013), p. 1-17.

______. “O mundo da arte”. Tradução de Rodrigo Duarte. In: Artefilosofia, n. 1 (jul. 2006), p. 13-25.

______. What Art Is. Yale: Yale University Press, 2013.

______. Beyond the Brillo Box: the Visual Arts in Post-Historical Perspective. Berkeley, Los Angeles, London: University of California Press, 1992.

______. Encounters and Reflections: Art in the Historical Present. New York: Farrar Straus & Giroux 1990.

______. Embodied Meanings: Critical Essays & Aesthetic Meditatios. New York: Farrar Straus & Giroux, 1994.

RAMME, N. “É possível definir arte?”. In: Analytica, v. XIII, n.1 (jul. 2009), p. 197-212.

SONTAG, Susan. Against interpretation. New York: Farrar, Straus & Giroux, 1966.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.