Boa deliberação (eubolia) e o problema da moralidade dos meios em Aristóteles | Stefani | Kriterion: Revista de Filosofia

Boa deliberação (eubolia) e o problema da moralidade dos meios em Aristóteles

Jaqueline Stefani

Resumo


O escopo da pesquisa é a análise de 1142b 17-28 da “Ética Nicomaqueia”, trecho em que Aristóteles disserta sobre a correção (orthotes), tendo em vista que a boa deliberação (euboulía) é uma espécie de correção. A passagem não é clara e sugere que: i) na boa deliberação, a moralidade restringe-se aos fins, cabendo aos meios apenas a característica de serem eficazes na obtenção dos fins; ou que ii) na boa deliberação, a moralidade recai sobre meios e sobre fins pois, com a expressão “usar os meios corretos na obtenção do fim”, Aristóteles estaria incluindo o critério moral dos meios como condição necessária à boa deliberação. Opto por “i)” e defendo que a boa deliberação consiste tão somente em uma habilidade exitosa na obtenção de um fim bom, habilidade que leva em conta o que é melhor, mais fácil, mais eficaz, feita em tempo oportuno.


Texto completo:

PDF

Referências


ANGIONI, L. “Aristóteles: Ética a Nicômaco, Livro VI”. Dissertatio, [34], pp. 285-300, verão de 2011.

ARISTÓTELES. “Nicomachean Ethics”. Translation and commentary by T. Irwin. Second Edition. Indianápolis: Hackett Publishing Company, 1999.

_____. “Éthique à Nicomaque”. Nouvelle Traduction avec introduction, notes et index par J. Tricot. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin 6, Place de La Sorbonne, 2012.

_____. “Métaphysique”. Présentation et traduction par Marie-Paule Duminil et Annick Jaulin. Paris: Flammarion, 2008.

_____. “Topiques”. Organon V. Traduction et notes par J. Tricot. Paris: Vrin, 2012.

AUBENQUE, P. “A prudência em Aristóteles”. Tradução de M. Lopes. São Paulo: Paulus, 2008.

BODÉÜS, R. “Virtude acabada e vício acabado”. Analytica, Vol. 8, Nr. 2, 2004.

BRÜLLMANN, P. “A teoria do bem na Ética a Nicômaco de Aristóteles”. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

CARVALHO, W., STEFANI, J. “Uma investigação sobre o caráter (éthos) e as virtudes morais na Ética Nicomaqueia”. HYPNOS, Vol. 36, 1º sem., pp. 93-110, 2016.

GAUTHIER, R. A.; JOLIF, J. Y. “L’Éthique à Nicomaque: Introduction, Traduction et Commentaire”, Tome II, Commentaire, Deuxième Partie, Livres V-X. Louvain: Publications Universitaires de Louvain, Éditions Béatrice-Nauwelaerts, 2002.

GOTTLIEB, P. “O silogismo prático”. In: KRAUT, R. et al. (orgs.) Aristóteles: a Ética a Nicômaco. Porto Alegre: Artmed, 2009.

IRWIN, T. “Notes”. In: ARISTOTLE. Nicomachean Ethics. Translated, with introduction, notes, and glossary by T. Irwn. 2nd. Ed. Cambridge: Hackett Publishing Co., 1999.

KENNY, A. “Aristotle’s Theory of Will”. London: Duckworth, 1979.

PAKALUK, M. “Aristotle’s: Nicomachean Ethics”. New York Cambridge University Press, 2008.

REEVE, C. D. C. “Aristóteles e as virtudes do intelecto”. In: KRAUT, R. et al. (orgs.). Aristóteles: a Ética a Nicômaco. Porto Alegre: Artmed, 2009.

TRICOT, J. "Notes”. In: ARISTOTLE. Éthique à Nicomaque. Nouvelle Traduction avec introduction, notes et index par J. Tricot. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin 6, Place de La Sorbonne, 2012.

VIANO, C. “O que é a virtude natural? (Eth. Nic. VI, 13)”. Analytica, Vol. 8, Nr. 2, 2004.

ZINGANO, M. “Aristóteles: tratado da virtude moral; Ethica Nicomachea I 13 – III 8”. São Paulo: Odysseus, 2008.